Associação dos

A

JOR

B
*Desde 1.971*

Jornais e revistas de

Bairro de S. Paulo

Rua Major Diogo, 622 - CEP:01324-000- Telefone e fax:3242-0270. São Paulo/SP-Brasil

Email: Fale com o presidente da Ajorb  /SITE: http://www.ajorb.com.br/  - CGC:051.750.958/0001-30 - Fundada em 28/abril/1.971
Presidente: Egydio Coelho da Silva

Entrevista com o Presidente da AJORB em 27 de outubro de 2006

Nome: Marcelo Sander

Cidade: São Paulo. Estado: SP. País: Brasil.

 
Prezado Egydio.

Tudo bem?

Sou Marcelo Sander e estou fazendo uma matéria para a Revista PQN Nº5 sobre Jornais de Bairro.

Gostaria de tê-lo como uma das minhas fontes para a matéria. Seria possível?

Seguem algumas perguntas que podem ser respondidas para esse mesmo e-mail:

01) Existe alguma associação que represente os jornais de bairro nacionalmente?

Egydio: Não. Já tenho emails e endereços de muitas pessoas que me consultam para fundar outras Ajorbs em várias cidades. Existem Ajorbs em B. Horizonte, em Porto Alegre e no Rio de Janeiro estão organizando. Acredito que dentro de pouco tempo isso será possível.
Existe a Abrarj – Associação brasileira de revistas e jornais que se propõe a representar os veículos regionais em âmbito nacional. Cheguei a sugerir a seu presidente Walter Stevam que o nome fosso ANJR (Associação Nacional dos jornais regionais), que, me parece, seria mais didático e definiria sua representação. Mas minha sugestão não foi aceita.
De qualquer forma, não é uma entidade específica para representar somente jornais de bairro, como seria uma Confederação brasileira de jornais de bairros, que seria mais correto.

02) Fale um pouco sobre o mercado para os jornais de bairro em São Paulo.

Egydio: Se quando o Brasil crescia acima de 5% ao ano já estava difícil, agora está pior ainda, talvez para todos os segmentos econômicos, principalmente para as pequenas e médias empresas. O jornal de bairro, infelizmente, sofreu o reflexo do desaquecimento constante da economia nos últimos 10 anos. É até surpreendente que a quase totalidade dos veículos comunitários tradicionais continuem circulando e cumprindo seu papel de comunicação com seus leitores. Há hoje em São Paulo uma sensível melhora em razão da Lei que regulamentou o combate a poluição visual em São Paulo.

03) Como a entidade luta em defesa de seus associados?
Egydio: Nossa luta tem sido de buscar a união dos diretores de jornal, também contra as imorais indenizações por dano moral que inibe a liberdade de imprensa, contra o preconceito aos jornais de bairro, como jornalismo de menor valor e contra uma legislação trabalhista que impõe aos jornais de bairro o mesmo piso salarial dos grandes veículos, o que é só beneficia os jornais de circulação estadual e nacional, que, nos acordos trabalhistas, conseguem reduzir o piso salarial de seus funcionários sob a alegação de que é muito alto para ser suportado pelos jornais de bairro de São Paulo.

 04) Como é o retorno dos leitores de jornais de bairro em São Paulo?

Egydio: a manifestação dos leitores dos jornais de bairro é o tempo todo por todos os meios: por carta à redação, por emails, nas reuniões comunitárias, pois, o diretor e jornalista de jornal de bairro estão sempre em contacto direto com seu leitor.

05) A rentabilidade desses jornais permite que seus diretores sobrevivam exclusivamente desse negócio ou é apenas mais uma atividade exercida?

Egydio: Há uma década atrás era difícil encontrar um diretor de jornal de bairro, que não vivesse exclusivamente de seu jornal. Hoje, é bem menos.

 06) Como está o nível profissional nas redações de jornais de bairro em São Paulo?
Egydio: Sinto que tem melhorado muito. Todos têm suas convicções políticas e fazem um jornalismo de defesa de seu bairro, mas procuram dar versão de ambos os lados. Exemplo: quando se critica qualquer falha da administração pública, divulgam também na mesma edição ou na edição seguinte a versão e explicação das autoridades.

 07) Como é feito o processo de captação de anunciantes nos jornais de bairro de São Paulo?

Egydio: A captação de anúncios normalmente é feita por contactos autônomos de publicidade e em promoções junto às agências de publicidade.

08) Como vocês imaginam o futuro dos jornais de bairro, daqui a cinco ou dez anos?

Egydio: Como disse acima, a economia dos jornais de bairro está intimamente relacionada com o crescimento da economia. E em economia fica difícil fazer qualquer previsão.

09) Qual é o faturamento médio de um jornal de bairro em São Paulo?

Egydio: Não tenho essa pesquisa.

10) Como a Ajorb vê a entrada de grandes jornais no mercado de jornais de bairro? Como os jornais de bairro estão reagindo a isso?

Egydio:
Há um tempo atrás eu me preocupava com isso, achando que seriam concorrentes dos jornais de bairro. Agora a experiência e observação me ensinaram que são complementares e, paradoxalmente, se ajudam. Os grandes veículos fazem matérias do bairro para seus leitores que não residem no bairro. Os jornais de bairro redigem a matéria para informar e atender as aspirações dos moradores do bairro. Portanto, é uma editoria totalmente diferente. Ambos se ajudam, pois, é difícil lidar com leitor ou comerciante que não tem costume de anunciar. E se ele anuncia em um veículo, ele passa a ser um mais forte anunciante em potencial de outro veículo. Não tenho recebido queixa de colegas com relação a concorrência de suplementos de bairro de grandes jornais.

11 - Gostaria também de receber uma foto sua, se possível.

Egydio: Tenho uma foto disponível na página www.ajorb.com.br/egydio.htm

Desde já agradeço a atenção e aguardo retorno. Abraço, Marcelo Sander.

 

Pagina principal

Volta ao índice de entrevistas do presidente da Ajorb

 

“Se tivesse que decidir se devemos ter governo sem jornais ou jornais sem governo, eu não vacilaria um instante em preferir o último” (Thomas Jefferson).

Clique aqui para ver mais pensamentos e máximas sobre liberdade de imprensa

* Se você se sentir prejudicado com qualquer notícia aqui divulgada eB quiser se utilizar do direito de resposta, favor enviar email de volta, que a sua opinião será divulgada com o mesmo destaque .

 

Máximas sobre liberdade de imprensa e livre manifestação do pensamento:

 

*“Se tivesse que decidir se devemos ter governo sem jornais ou jornais sem governo, eu não vacilaria um instante em preferir o último” (Thomas Jefferson).

 

* “A imprensa, numa vigorosa prestação de serviço, será a memória da cidadania contra o corporativismo de interesses menores, quer no Executivo, Legislativo e Judiciário” (Carlos Alberto Di Franco).

 

“Que o bem da liberdade segue imediatamente os bens da vida e da integridade física, demonstra-se facilmente, pois, a liberdade foi sempre constantemente um dos mais altos fins dos esforços e das aspirações humanas” (Adriano de Cupis).

 

* “Libertas omnibus rebus favorabilior est” ( “Em todos os casos a liberdade é mais favorável”), Brocardo Romano.

 

* “ A imprensa é um dos meios mais importantes de crítica e controle público permanente” (Konrad Hesse)

 

* “A imprensa livre é o olhar onipotente do povo” (Karl Marx).

 

* “A imprensa livre é o espelho intelectual no qual o povo se vê e a visão a si mesmo é a primeira condição da sabedoria” (Karl Marx).

 

“Nossa Constituição Federal (1988) protege, de maneira veemente, o direito de informar, o direito de se informar e o direito de ser informado” (Oduvaldo Donnini, autor do livro “Imprensa livre, dano moral e dano à imagem...pág.206)

 

* “A medida que a comunicação se torna maior e melhor, fica claro que a intolerância é a verdadeira pequenez do homem”, Spielberg

 

* "Toda pessoa tem direito à liberdade de opinião e expressão; este direito inclui a liberdade de, sem interferências, ter opiniões e de procurar, receber e transmitir informações e idéias por quaisquer meios e independentemente de fronteiras" (o artigo XIX da Declaração Universal dos Direitos Humanos-ONU, 10-12-1.948).


"Creio na imprensa sem restrições, porque creio no poder da razão e da verdade".

Rui Barbosa

 

"Infringem a  ética:

o juiz que não julga, 

o promotor que  não denuncia, 

o advogado que não defende, 

o jornalista que não noticia o que sabe ou 

não escreve o que pensa".

Zuel Antônio Costela

 

"Não concordo com uma só palavra do que dizes, mas defenderei até a morte o teu direito de dizê-la".  Voltaire

 

Indenização, em dinheiro, por dano moral somente indeniza a moral de quem não tem moral.

Medeiros de Abreu

 

 

 

Os incisos do artigo 5o. da Constituição abaixo só não garantem a liberdade de imprensa, porque foram "esquecidos" pelos que julgam ações contra a liberdade de imprensa:

 

* "IV - É livre a manifestação de pensamento, sendo vedado o anonimato";

 

* "V - É assegurado o direito de resposta, proporcional ao agravo...";

 

* "IX - É livre a atividade...de comunicação, independentemente de censura e licença";

 

* "XIV - É assegurado a todos o acesso à informação e resguardado o sigilo da fonte, quando necessário ao exercício profissional".