FÓRUM DE IMPRENSA, mensagens por email

Escolha o assunto: leia e participe enviando sua mensagem. Não importa sua profissão, grau de instrução, nacionalidade, etc.

Coordenador: Egydio Coelho da Silva

(Em elaboração iniciada em 05-01-2001)

 

FÓRUM DA IMPRENSA: 05 DE JANEIRO-2.002

CILEA LIMA, advogada

BOTUCATU-SP  

(texto repassado)

 

"CLONE
Mylton Severiano*
O mais legítimo sentido do título da atual novela global de Glória Perez configurou-se dia 15 de janeiro de 2002 e capítulos seguintes. Os atores nos propiciaram momentos sublimes da história universal da empulhação.
A seqüência constituiu aquilo que os marketeiros chamam de merchandising: propaganda disfarçada. Nos intervalos, comerciais com Roseana. Na novela, os atores se esmerando em dizer quão maravilhoso é o Maranhão. Que céu, que natureza, que povo, que tudo. Nada se iguala. Crianças brincando, lavadeiras sorridentes. Bumba-meu-boi. Só alegria! Tudo pago com dinheiro do povo maranhense, o mais pobre do Brasil conforme o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).
Outro dia, encontrei colega do ramo da televisão. Vamos chamá-lo de Rei. A mídia ainda não falava em Roseana. Ainda não a haviam enfiado nas pesquisas "estimuladas". Mas entre os que trabalham com jornalismo e atividades afins já se especulava sobre qual mágica as elites aprontariam em 2002 para abater o velho freguês do PT. Alguém na roda lembrou Roseana: "É mulher, é bonita, não é queimada..."
O Rei me chamou de lado e contou. Faz uns dois anos, ele esteve em São Luís com equipe de tv gravando Roseana, para programa do PFL. O diretor de cena sugeriu: "Governadora, que tal sairmos do gabinete? É ambiente frio, artificial."
Da janela do palácio, mostrou a multidão de maranhenses passando na rua: "A senhora podia ficar lá no meio do povo..." Roseana cortou rente: "No meio do povo?"
Fez muxoxo de nojo, como quem diz "aquilo fede". E gravou no gabinete perfumado, no "bem-bom" do ar refrigerado. O diretor ficou de, mais tarde, esquentar a cena, providenciando o povo ao fundo, por meio de truque eletrônico. Povo virtual.
Assim que surgiu o "fenômeno Roseana", em milhões de cabeças brasileiras veio a comparação com o "fenômeno Collor". Alguns paralelos:- ricos e bonitos - filhos de oligarcas- formados em Estados miseráveis onde as elites cevam a perpetuação do poder na miséria do povo - família detentora do monopólio da comunicação regional, dominando principais jornais, rádios e tvs, principalmente as afiliadas estaduais da Rede Globo - lançamento do "fenômeno" com apoio de profissionais da propaganda, tal como se vende qualquer "novo" produto - leniência, complacência, estímulo, cumplicidade e apoio da mídia gorda - capa da Veja abrindo caminho (Collor: caçador de marajás; Roseana: o fenômeno) - apoio da Rede Globo
O clã Sarney vem governando há quase 40 anos o Maranhão. Pense num país desgraçado. Suazilândia. Em quesitos como mortalidade infantil, analfabetismo e IDH (Índice de Desenvolvimento Humano), estão parelhos Sarneylândia e Suazilândia. Pela gordura dos cachorros se conhece o dono.
Conversei com dois colegas jornalistas maranhenses, o jovem ábio Lopes e o veterano Chico Vianna, este também médico. Faz gosto sentir a indignação com que reagem à estratégia ora tentada para transformar a olicarcazinha em estadista. Alguns tópicos da conversa telefônica com os dois:
- O governo Roseana bancou a produção da seqüência da novela em terras maranhenses, deslocamento e hospedagem para 20 pessoas, fora imagens aéreas.
- Roseana, diz Fábio, não se sustenta num debate, "é despreparada". Incapaz por exemplo de se manifestar sobre a Alca.
- Em sete anos de governo, Roseana não construiu sequer uma sala de  aula, não ampliou o sistema de saúde pública em sequer um leito; "a saúde está um caos", diz Chico.
- Imprensa, rádio e tv vivem em "promiscuidade" com o governo e as elites, esquema que vem sendo montado há anos: "Cercaram a moita", diz Chico, que garante: "Noventa por cento dos colegas que cobrem a Assembléia estão na folha."
- A "amizade" dos Sarney com a Globo segue o "é dando que se recebe", lembram-se? Dois exemplos:
1. A Secretaria da Educação diz que não é necessário construir escola, graças ao miraculoso ensino à distância. Ao custo de R$ 114 milhões, a Fundação Roberto Marinho implantou lá o tal ensino. "Se o IBGE fizer um estudo, dá todo o Maranhão com segundo grau. Mas cada fita tem 15 minutos, para aulas de uma hora, o resto do tempo o aluno fica flanando. Tem professor de História em sala de Matemática. É uma esculhambação", diz Chico. "E o Brasil não sabe." Chico fez as contas, superestimando custos, apurou no máximo R$ 58 milhões. Ou seja, lucro de R$ 56 milhões para o "doutor Roberto".
2. Dos R$ 10 milhões de verba para o Campeonato Sul-Americano de Vôlei, foram R$ 8 milhões para o evento. E R$ 2 milhões para divulgação Onde? Na Globo, que pertence à família da candidata a estadista.
Chico falou mais de meia hora ao telefone. Diz que, com mais tempo, tem muito mais a relatar. O caso dos aviões, das estradas... Tal como na ascensão de Collor, parece que a mídia gorda não está a fim de mostrar nada. Treze anos atrás, o "doutor Roberto" disse que apoiava Collor porque era o mais "moderno". Agora começa a apoiar Roseana, a clone. Deve ser tão moderna quanto foi o Collor.

Puxa vida. Vão ser modernos assim no quinto dos infernos.
*Mylton Severiano é jornalista.

Cilea,

Grato pela sua colaboração ao Fórum de Imprensa.

Há tempos atrás, os chamados merchandising, incluídos nos textos das novelas (veículo utilizado por ator, o personagem abrindo conta em banco, com destaque para a marca do carro e nome do banco, etc), eram considerados propaganda subliminal e proibidos, não sei se por lei ou pela ética. Pois, induzem  o telespectador a decidir por um produto ou serviço sem pensar. Porém, como denuncia o articulista, quando é dinheiro do povo, utilizado para convencer subliminalmente o próprio povo, sem lhe dar o direito de pensar, é, sem dúvida, um desserviço do meio de comunicação.

Daí sua imoralidade ou necessidade de regulamentação no interesse do consumidor e do eleitor. 

Quando um pequeno jornal do interior ou comunitário publica alguma propaganda comercial e não escreve no início que é "Informe publicitário" dizem que é picaretagem.

Quando são as grandes redes de TV, mesmo que seja propaganda subliminal, é considerado  merchandising.

Egydio Coelho da Silva

Em tempo: Em vez de limitar gastos de político com publicidade paga e clara que é publicidade, que é forma correta e leal de comunicação, deveriam proibir a propaganda subliminal, que induz o eleitor a erro.

 

Página inicial do Fórum  de imprensa


Mensagens anteriores sobre imorais indenizações por dano moral

 

= FIM DOS TEXTOS =

 

 “Se tivesse que decidir se devemos ter governo sem jornais ou jornais sem governo, eu não vacilaria um instante em preferir o último”. Thomas Jefferson, (1743 - 1826), estadista  e ex-presidente dos EUA.

Clique aqui para ver mais pensamentos e máximas sobre liberdade de imprensa

 

  = FIM DOS TEXTOS =

 

FÓRUM DE IMPRENSA: TEXTOS DO PERÍODO DE NOVEMBRO A DEZEMBRO DE 2.001

·                     Participe e/ou fale conosco

Se preferir clique aqui e envie email para o coordenador do Fórum de imprensa

 

O objetivo primordial desde fórum é: 

 

01) Trocar informações, idéias e opiniões sobre assunto que diz respeito as leis que restringem a liberdade de imprensa;

 

02) Buscar aperfeiçoamento das Leis, que penalizam o crime de imprensa, sem criar co-responsabilidade e estimular a auto-censura, a pior de todas as censuras.

 

03) Combater as imorais indenizações por danos morais.

 

04) Buscar normas que façam com o assunto, que se iniciou na imprensa, termine na imprensa, privilegiando a informação à sociedade e não no silêncio dos tribunais enriquecendo indivíduos.

 

 Para se cadastrar e receber as mensagens gratuitamente ou participar deste fórum, envie email para:  Egydio Coelho da Silva   

email:  

vtmv@monteverdemg.

com.br 

 

 Se você se sentir prejudicado com qualquer notícia aqui divulgada e quiser se utilizar do direito de resposta, favor enviar email de volta, que a sua opinião será divulgada com o mesmo destaque e enviada para as mesmas pessoas que receberam esta mensagem.

 

* Mensagens do período de novembro a dezembro de 2.001  

 

Empresa, que patrocina e torna possível esta página na internet.


Em Monte Verde:


MONTE VERDE-MG