Diretor:

Egydio Coelho da Silva

Diretor de Redação:

Haroldo Rodrigues do Lago

Atualização Mensal
Observatório político-jornais de bairro (agosto/2011)

25/novembro/2012

Observatório político

Antônio Zorro de Medeiros

Correspondência a esta coluna: politica@ajorb.com.br

__________________________________________________________
 


Saia justa de Haddad


com o malufismo


Embora condenado a devolver 22 milhões de dólares, Paulo Maluf cobra a conta e exige uma secretaria municipal.
 


Vexame de ter que pagar conta muito alta


O PT e PSDB pleiteiam para si a “glória” de ter iniciado o processo para trazer de volta os 22 milhões, no paraíso fiscal britânico de Jersey,
que teriam sido desviados das obras da
Av. Praia Espraiada, hoje Roberto Marinho.
Enquanto isso, o prefeito eleito, Fernando
Haddad (foto) tem que agüentar o vexame
de ser obrigado a nomear secretário municipal indicado pelo deputado Paulo Maluf.
Inicialmente se falava até que o cargo escolhido pelos malufistas seria o de secretário municipal da justiça, que é o principal responsável a
pleitear juridicamente a devolução desses
valores depositados sorrateiramente no paraíso fiscal.

cargo suspeito

E, como esse cargo seria suspeito, pois, é o mesmo que mandar cabrita vigiar horta, já que um secretário de justiça ligado a Maluf, dificilmente teria liberdade suficiente para exercer a obrigação de reaver aos cofres
públicos municipais esse dinheiro oriundo de propinas.
Mas aí ficaria muito na cara que o objetivo dos malufistas seria botar areia na obrigação da Prefeitura em reaver esse
dinheiro. Acho que, por isso, neste momento que escrevo esta coluna, os malufistas já falam em ocupar a Secretaria Municipal da Habitação ou a COAB.
Como o malufismo saiu desgastado na última eleição municipal, o grupo ligado a Maluf já
está falando fino.
Vereadores malufistas não se elegeram, como Agnaldo Timoteo e Wadih Mutran, filiados ao PP.

 

Apenas o pastor Edemilson Chaves conseguiu  se eleger, portanto, o grupo somente colocou um vereador na Câmara Municipal. Além disso, outros malufistas, que tinham a eleição como certa, Attila Russomanno, irmão de Celso Russomanno e Marcelo Frisoni, marido da apresentadora Ana Maria Braga, tiveram votação muito baixa. É discutível até se o apoio de Maluf e os minutos a mais que o PP deu a Fernando Haddad ajudou ou prejudicou a campanha.
Se ajudou ou prejudicou é uma incógnita, impossível de descobrir agora.
 

Tese de Lula

Era tese do ex-presidente Lula que todo apoio venha de onde vier ajuda.
E os malufistas e também acrescentam que inegavelmente Paulo Maluf ainda tem
muitos seguidores, que sempre acham
que é dinâmico e cheio de ideias.
“Tudo que se diz contra ele é mentira gerada por interesse político e alguns até dizem que ele rouba, mas faz, enquanto os outros só roubam.” Os petistas e partidos que querem mais espaço no secretariado municipal argumentam que Paulo Maluf mais
prejudicou Fernando Haddad na campanha do que ajudou. Lembram que as duas ex-prefeitas, Luíza Erundina e Marta Suplicy,
se negavam a participar da campanha eleitoral, para não ficar em no mesmo palanque junto com Paulo Maluf. Haddad
com certeza poderá escolher qualquer uma das teses para deixar sua saia mais larga.


Suspeita de fraude

Segundo release, distribuído pela vereadora Juliana Cardoso, reeleita  (PT), a compra pela Prefeitura do terreno da antiga metalúrgica Gazarra, em Itaquera, para a instalação do câmpus da Universidade Federal (Unifesp)

 Leste, teve sua aquisição suspensa pela Prefeitura em julho do ano passado.
Isto aconteceu após o Ministério Público
Estadual descobrir que a empresa holandesa
 Mon Fort Administração de Bens Próprios comprara o terreno dois meses antes, em maio, por um valor 287% menor do que a proposta da

Prefeitura: R$ 16,2 milhões  em 15 prestações. A suspeita de fraude motivou abertura de inquérito pelo Ministério Público (MP). Para acelerar a construção da universidade, sem prejuízo aos cofres municipais, o secretário de Negócios Jurídicos, Claúdio Lembo, garantiu que nada será pago antes da conclusão do inquérito. Cláudio Lembo, porém, afirma: “Se o MP decidir que o terreno vale menos do que pagarmos em juízo, a diferença será bloqueada e retorna a Prefeitura”.

Diálogos imaginários de

 

Zé Periferia com o prefeito Quessabe

 

 

Prefeito Quessabe:
Amigo Zé Periferia, ainda não me recuperei da tristeza pela derrota do Serra...


Periferia:

Talvez um ministério no governo de Dilma o ajude a se recuperar dessa tristeza...

 

Texto: Zuel Antônio Costela

 

_____________________________________________________________

++Antônio Zorro de Medeiros é jornalista.
Correspondência a esta coluna: politica@ajorb.com.br
Texto exclusivo para os jornais de bairro de São Paulo, que ficam autorizados a publicar na íntegra ou parcialmente. Outros também, desde que citem a fonte e deem crédito.

 

Observatório político-setembro/2012

Observatório político-agosto/2012

Observatório político-julho/2012

Observatório político-junho/2012

Observatório político-maio/2012

Observatório político-abril/2012

Observatório político-28/03/2012

Observatório político-05/03/2012

Observatório político-07/02/2012

 

Observatório político, colunas publicadas em 2011

xxxxxxxxxxxxxxx 

 

Se você se sentir prejudicado com qualquer notícia aqui divulgada e quiser se utilizar do direito de resposta, favor enviar email de volta, que a sua opinião será divulgada com o mesmo destaque e enviada para as mesmas pessoas que receberam esta mensagem.

 

Fale com o presidente da Ajorb

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

© Copyright ® 2003-2011 - Jornal dos Bairros - Fone: 3242-0270 - Todos os Direitos Reservados - Cristiano Coelho- Web Master