Jornal dos Bairros - Jornal da Bela Vista


Jornal da Bela Vista - DE 30-09

Conseg Bela Vista se reuniu

Problemas do bairro seguem se agravando

 

 

Foi no auditório do Instituto Cultural Itaú - na Avenida Paulista, que aconteceu a reunião ordinária mensal do Conselho Comunitário de Segurança da Bela Vista, no último dia 24.
Na pauta as eternas reclamações dos moradores quanto aos mais variados problemas que dificultam a vida dos munícipes, e demandam ação por parte das autoridades.
Sérgio Miyazaki - superintendente administrativo do instituto, acompanhado de Maria de Fátima Spínola - inspetora de segurança, prestigiou o encontro comunitário, e ao dirigir a palavra aos presentes declarou que 'Participar das atividades comunitárias é o objetivo intrínseco dessa instituição, e estamos à disposição para colaborar sempre, pois essa integração é desejável'.
No entanto, o assunto que se destacou - e gerou acalorados debates, foi a questão da distribuição de sopa a moradores de rua, que antes acontecia no viaduto Condessa de São Joaquim, e que agora acontece na rua Conde de São Joaquim, acarretando reclamações por parte de moradores e comerciantes lá instalados.
Esse é um problema complexo, pois envolve questões sociais e humanitárias, porém, ao reunir essas pessoas em determinados locais, o que ocorre é que, após a distribuição dos alimentos, os integrantes das ong's se vão, mas os moradores de rua permanecem nas imediações, e muitos deles até passam a noite em qualquer canto que encontrem.
Como existe determinação judicial proibindo as autoridades policiais de coibir esse tipo de atividade, ficou estabelecido que os dirigentes das ong's que realizam esse trabalho social serão convidados a participar de uma reunião específica para tratar do tema.
A intenção das lideranças comunitárias é buscar - em conjunto com as autoridades e as ong's, uma solução que atenda a todos de forma a por fim as queixas.
Se e quando essa reunião ocorrer, lá estaremos.

Haroldo Lago   - 15-09

Posto abandonado não vende combustível

Mas serve de moradia a mendigos e estacionamento clandestino

 

 

Um antigo posto de combustíveis localizado na esquina das ruas Jaceguai e Santo Amaro tornou-se uma tremenda dor de cabeça para os moradores dos arredores.
Quem passa pelo local se surpreende ao perceber que - apesar de o estabe-lecimento estar tomado por uma grande quantidade de blocos onde se lê 'Local Interditado - Subprefeitura Sé', lá funciona a todo vapor um movimentado estacionamento clandestino, e a parte onde antigamente se usava na função de 'lava-rápido', foi transformada em seguro e 'confortável' abrigo para moradores de rua.
O que temem os incomodados moradores é que essa explosiva combinação de elementos tem tudo para acabar em tragédia, no entanto, o poder público - cego, surdo, mudo e inoperante, nada faz.
Como se pode ver, até quando age, o poder público prejudica o morador, pois ao interditar o posto de combustíveis, acarretou um problema social e ninguém toma alguma providência.

Haroldo Lago   - 25-06

Cartilha Maria José
Novolhar busca revitalizar a rua

 

 

Foi na amanhã do último dia 19 de junho, às 10 horas, que se reuniram na Rua Maria José, crianças e jovens atendidos pela Associação Novolhar, representantes da comunidade e comerciantes do bairro, para simbolicamente marcar o lançamento da Cartilha Maria José.
Na oportunidade as crianças desenharam - nas calçadas, a forma como elas imaginam que ficará a rua depois de revitalizada. Além de varrerem a rua, recolheram lixo, conscientes que serão os agentes dessa transformação.

 

 

As próprias crianças também documentaram em vídeo, fotos, internet e jornal toda a manifestação, e esse material vai resultar numa exposição - no próximo mês de dezembro, que terá como palco o teatro Sérgio Cardoso.
O projeto “Se essa rua fosse minha”, desenvolvido pela Associação Novolhar em parceria com a Subprefeitura da Sé, visa transformar a rua Maria Jose - onde se localiza a sede da Novolhar, desde a Rua Manoel Dutra até a Av. Brigadeiro Luís Antonio, reconstruindo suas calçadas, implantando coleta seletiva, arborizando, entre outras ações.

Segundo Paulo Santiago, Coordenador da Novolhar “Não podemos pensar em estimular nossas crianças à transformarem o mundo se não começarmos por nossas casas e a rua onde moramos”.
A Associação Novolhar, há nove anos vem desenvolvendo um trabalho com crianças, adolescentes, famílias e comunidade do Bairro do Bixiga e jovens da fundação CASA ( Antiga FEBEM), tendo como instrumento a comunicação para despertar nesses jovens um novo olhar sobre sua realidade e seu futuro.


Associação Novolhar
Rua Maria José, 198 - Bixiga
Telefones para contato: 3104-8862 e 3107-3308
www.novolhar.org.br

 

Edição anterior